One Year

•agosto 17, 2012 • Deixe um comentário

Ontem dia 16 de agosto, fez um ano desde que minha mãe se foi. Não queria dizer isso, mas passou tão rápido, naquele mesmo ano, consegui o que ela sempre sonhou, passei para uma universidade federal.

Com sua partida, vieram as responsabilidades, de uma maneira bem abrupta tive que aprender muitas coisas, fico feliz com isso porque cresci como pessoa, pude colocar em prática tudo aquilo que minha mãe me ensinou, e aposto que se estivesse aqui ela estaria bem orgulhosa dos dois filhos, estudando, trabalhando, conseguindo realizar os sonhos, construindo o futuro.

Se pudesse te dizer algo, diria que a saudade é eterna, mas que a vida tem que continuar, e, aqui ao meu lado há pessoas que me amam e que me protegem, e me ajudam a conviver com a dor.

Queria poder escrever muito mais aqui, mas sinto que não consigo, pois tudo que vou escrever vai querer dizer apenas uma única coisa, Obrigado mãe, por me fazer um homem.

 

Anúncios

Fear the Dark

•julho 23, 2012 • 2 Comentários

Porque as pessoas tem tanto medo do escuro? Porque a ”simples” falta de luz afeta tanto o imaginário das pessoas a ponto de deixá-las aterrorizadas?
O medo do escuro é praticamento inato, ou seja, já ”nasce” com as pessoas, é também o primeiro medo que se tem quando é criança, e talvez o único que permaneça conosco por muito tempo.
Pode ser demonstrado de inúmeras maneiras, em sua maioria sutis, um desconforto em permancer sozinho em algum lugar escuro, ter sempre uma luz acesa perto.
Por dentro o medo, não vem da falta de luz em si, mas sim de lembranças e sensações que o escuro trás, um trauma de infancia, uma lembrança, mas, acho, que a principal causa desse medo seja o fato de associar-se o escuro ao desconhecido.
É muito difícil estar em lugar desconhecido, principalmente sozinho, pois isso remete a abandono, a desilusão, solidão, por isso o escuro é tão aterrorizante, pois nunca se sabe o que está lá[em um lugar desconhecido], não se conhece, com isso, o escuro fica ainda mais escuro, pois o medo cresce de dentro pra fora, por isso é tão difícil enfrentar esse tipo de medo, pois nunca pode se acostumar a isso, nunca se saberá o que há no desconhecido.
E quando acendemos uma luz, os medos se dissipam, pois aprendemos e vemos que não a nada a temer, assim como a mente, quando não se sabe algo, ficamos receosos, mas quando aprendemos, vemos que não há porque o receio. Porém, contraditóriamente, essa é também a principal diferença, pois com o desconhecido[escuro], cada lugar é diferente, mesmo que aprendemos um lugar, esse pode mudar, o conhecimento não, uma vez aprendido sempre será aquele, isso faz com que a sabedoria se torne um medo passível e desejável de se vencer, ao contrário do escuro, é praticamente impossível vence-lo, mas também desejável, ninguém gosta de ficar no desconhecido, na solidão.
Por isso sempre que for rumar ao desconhecido, vá de mãos dadas, vá acompanhado, pois fica mais fácil de se lidar com o medo, pois você sabe que não está sozinho.

Eu já seguro na mão daquela que vai me acompanhar rumo ao desconhecido, rumo ao ontem, hoje e amanhã, rumo ao futuro, que sendo ao seu lado tenho certeza de uma coisa, será um futuro feliz.

I Miss You

•julho 4, 2012 • 1 Comentário

Nas últimas 2 semanas tenho pensado muito na minha mãe, na falta que ele me faz, e, na falta nas coisas do cotidiano. Por exemplo: quando eu passei na faculdade, todo mundo feliz, dando os parabéns, todo mundo ficou orgulhoso de mim, mas faltava aquele parabéns, faltava aquela pessoa orgulhosa; quando eu reprovei na prova do DETRAN, todos me consolando, pois estava muito triste, adorei o apoio de todos, mas faltava aquele apoio, faltava aquele consolo; quando vou dormir, falta aquele ”boa noite”, ”até amanhã”; sinto falta de ouvi-la me mandando estudar; no meu aniversário, que fizeram um festa surpresa pra mim, e no almoço que teve, faltava aquela pessoa na mesa, faltou aquele abraço, aquele carinho; no natal, era sempre nós dois que montávamos a árvore, sempre brincando, sorrindo, na hora de abrir os presentes era sempre você que lia o nome das pessoas que estavam dando, e as que iam receber o presente, na hora da ceia, aquele lugar vazio ficou um buraco fundo, escuro, pesado; no réveillon, era sempre você que abria a garrafa de champagne, Você.

Nessas últimas semanas percebi o quanto sinto sua falta, o tanto de coisas que queria te dizer e não disse, a quantidade de coisas que poderia ter feito e não fiz, a quantidade de abraços que não dei, a quantidade de ”eu te amo” que não falei. Mas você sabia de tudo isso, você sabia de todas essas coisas que eu guardava dentro de mim, me arrependo por não ter feito todas essas coisas, e sei que se eu te falasse tudo isso que estou escrevendo agora, certamente iria me dizer que é tudo bobagem, e que eu não preciso fazer nada disso só pra te agradar ou sem que eu queira, só que eu queria, só que me faltava coragem, me faltava forças.

No final quando ela não conseguia sair da cama e já não enxergava e não saia mais da cama, mal tinha coragem de chegar perto dela, de te dar um beijo, te ajudar. Tinha muito que você morresse, Mãe, até hoje me arrependo, e eu daria tudo, tudo, por um abraço seu novamente, daria até mesmo minha vida, simplesmente por algo ‘bobo’ como um abraço.

Mãe, obrigado por tudo que fez por mim, sei que nunca fui um filho tão bom assim, mas tivemos muitos momentos bons, passamos por cada coisa, a morte do Vô, o roubo do seu carro, sua doença, as duas vezes, a mesma doença quando acometeu a Tia Rose, todas aquelas idas ao hospital, todo aquele sofrimento, você sempre estava lá, fazendo tudo que estava ao seu alcance e até mesmo coisas que não estavam pra não nos ver sofrer, e quando eu tive que fazer isso, não consegui, quando você estava sofrendo, eu não estava lá, eu estava com medo, me escondendo dentro de mim mesmo, me refugiando, como uma criança perdida, o que sou até hoje, não quero crescer.

Quando o Vô morreu, lembro que você falou que apenas ele havia morrido, e que não era pra nós morrermos com ele, pra continuar a vida, que ele iria preferir assim, que ele gostaria que fosse assim, sei que contigo é a mesma coisa, iria querer que continuemos a viver, vivendo com a lembrança de todos os momentos que passamos juntos, mas a lembrança dos momentos que eu queria ter passado junto contigo me atormenta muito, todos os momentos que deveria ter ficado ao seu lado, que fugi, que me escondi, como eu gostaria de pedir perdão, de me desculpar com você. Infelizmente não podemos voltar atrás, já passou e tu já foste. Na noite em que foi internada, lembro que segurou minha mão e me pediu pra ficar calmo que tudo ia dar certo, mas acho que você já sabia que não ia, que você não ia sair dali, mas que iria em paz, e outra que queria te dizer, é que você criou filhos ótimos, sério, você estaria muito orgulhosa de nós dois, com sonhos, esperanças, projetos, vivendo tudo o que queremos, lutando para conseguir chegar até nossos sonhos, e mãe se pudesse te dizer, diria pra você confiar nos seus filhos, nós vamos ser grandes um dia, se tudo der certo serei metade da pessoa que você foi, terei metade da sua coragem, e quando chegar minha hora, partirei sabendo que tive a melhor de todas as mãe, cuidando de mim, me amando, me dando que tudo que estava ao seu alcance e mais um pouco, mas sempre me dando o mais importante: Amor, Carinho, Dedicação, Tempo.

Mãe obrigado por tudo, Eu Te Amo.

I Want That You Know

•maio 29, 2012 • 1 Comentário

No último post, escrevi um dos sonetos do Hall(que na verdade sou eu mesmo), me inspirei para ele nessa música How Can I Tell You do Cat Stevens, que ouvi graças a minha amada Amanda, que me pediu para ouví-la para que eu soubesse que palavras estavam presas nos seus lábios, me emocionei muito com ela, imaginando ao invés dele cantando você falando tudo isso pra mim, sussurando no meu ouvido. A cada palavra cantada, eu me emocionava mais e mais.

Quero que saiba,  que Te amo muito, que Te quero ao meu lado sempre, e como disse tenho a certeza de que é Você quem preciso do meu lado, que Você me completa, que me faz feliz, que quero ser a pessoa que vai Te fazer feliz, Te fazer sorrir, que vai Te tomar nos braços, olhar nos seus olhos e dizer que Te ama, que Te quer, que vai Te proteger, Te guardar.

Mesmo que escrevesse muito aqui, ainda seria pouco comparado a tudo que sinto por Você, a todos os sentimentos que nutro por Você, e toda a eternidade para dizer que te amo ainda seria pouquíssimo tempo perto do que quero viver a Teu lado.

 

Te amo Amanda. Hoje mais que ontem, amanhã mais que hoje.

Tales Of Lost Lands XI

•maio 29, 2012 • Deixe um comentário

The Voice

I hear a music
That you say me to
With the words
That you want to talk

I imagined each word
Being spoken for you
Touching me heart
Touching my closed eyes

Even you don’t talk
I can hear you saying
All the words with love

With Your love
That you gave to me
And I want to thank.

Tales Of Lost Lands X

•maio 27, 2012 • Deixe um comentário

The Fog

 

Pretty and mysterious

Never know what is behind

But I can imagine it

The Sun hidden from me

 

I’ll find it, I savvy

He wait for me, almighty

King of all Kings

Brighting with the power

 

The power to win

In the middle of the fog

A hole, helping me

 

To find the sun

To dissipate all the clouds

Around me.

 

 

Creating Me For Your Entertainment

•novembro 27, 2011 • Deixe um comentário

Então supostamente deus nos criou e criou todas as coisas como conhecemos, pois todos que defendem esta tese afirmam categoricamente que a teoria evolucionista está errada. Criou e nos colocou em seu tabuleiro para nos ver jogar nossos jogos de guerra dor e sofrimento. Você não acha que se deus fosse benevolente e pudesse interferir na vontade humana o mal existiria? Deus, é apenas onisciente, ou seja, apenas ve, mas sem poder interferir.
Milagres não são reais, imagens de santos em janelas, paredes, são falsificações para enganar aos crentes. Se deus exite ele não quer que tenhamos fé ou confiança nele, quer que tenhamos medo. E seus seguidores sabem disso, afirmando que quem não seguir suas regras e ordens, seguindo cegamente os 10 mandamentos, , vai queimar em um mar de fogo por toda a eternidade, sem chance de rendição. Ou se vivermos uma vida de acordo com “sua palavra”, iremos ao paraíso viver ao seu lado servindo-lhe como anjos ou seja, mesmo após nossa, na suposta vida eterna, seríamos meros fantoches, submetidos a sua força opressora e sua orgulhosa vontade.
E seus seguidores afirma que sua palavra está escrita na Biblía, toda a história da terra e da humanidae. Mas como confiar em um livro que é o mais reescrito do mundo. Ou seja a biblía que temos hoje em dia, não é a mesma que foi escrita milhares de anos atrás, cada pessoa que a traduziu, espalhou, leu e contou aos outros, pode ter colocado uma palavra nova, tirada uma antiga, mudando completamente o contexto original, ou seja, de original só tem o nome, e nem isso podemos confiar…
Quando me falam de Jesus, Yesus, Emanoel, Yahveh, filho de deus, eu não penso em alguém que ressusitou uma pomba, transformou água em vinho, andou sobre as águas, fez um aleijado andar ou um cego enxergar e que muito menos ressusitou ao terceiro dia e subiu aos céus, eu penso em alguém que pensava nos outros antes de si mesmo, um filantropo, uma pessoa que fazia caridade, apenas isso, acredito que ele tenha ajudado muita gente, pois era carpinteiro. Se realmente existiu, era uma pessoa estremamente bondosa, filho de duas pessoas humildes, Maria e José, nascido em Jerusalém, e talvez por sua origem pobre, decidiu ajudar aos que tinham o mesmo começo que o seu, ajudando a construir uma casa, um barco, ajudando a pescar, plantar, e não muliplicando os pães, por que isso é fisicamente impossível, criar a matéria a partir do nada, pois foi isso que ele fez, criou pão de onde não tinha nada.
Somos apenas peõs na mão de um deus que não podemos confiar, pois nem mesmo sabemos se existe, somos escravos de um ser que nos olha e não ouve as orações de seus fiéis, não ouve o choro de um criança sobre o leito de uma mãe, não escuta as preces para acabar com a guerra, ou com a dor, e fazer do mundo um lugar decente para se viver, as pessoas só acreditam porque tem medo, só confiam pois não há no mundo que as conforte, porque talvez elas não encontraram ainda a paz, a felicidade e a confiança em algo mundano, apenas conhecem a dor, o sofrimento.
Mas eu acho, que um dia, todos vão achar algo que os conforte na vida terrena, e não vão precisar até o fim para, talvez, encontrar a paz, nesse dia, ninguém mais vai precisar de um deus, de um ser que olha e roga por ti.